Explorando o legado cultural através do Centro de Memória do Cacique de Ramos

A primeira edição da Festa Literária do Cacique de Ramos, a FliCacique, realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, marcou um momento histórico neste 1º de março de 2024, enquanto a cidade do Rio de Janeiro celebrava seus 459 anos. O Cacique de Ramos mostrou sua faceta educacional e social, indo além das fronteiras do carnaval e se consagrando como um polo de disseminação de conhecimento e cultura.

O evento, que contou com a presença de autoridades municipais, educadores e membros da comunidade, teve já na solenidade de abertura uma apresentação musical emocionante com alunos da Escola Municipal Chile que proporcionou uma experiência encantadora. Sob a habilidosa condução dos organizadores e da Diretoria de Ouro da agremiação, a FliCacique transformou a quadra do Doce Refúgio em uma verdadeira sala de aula, onde a aprendizagem, tecnologias e a criatividade fluíram em cada canto.

“Nós do Centro de Memória ficamos muito felizes em ver na nossa quadra a reprodução de carinho, afetos e e troca de palavras, expressas nas mais diversas formas: da música aos cordéis, dos debates ao passeio pelos painéis artísticos. E de ver a criançada envolvida, querendo aprender um pouco mais sobre a Tamarineira, e até produzindo desde aqui a sua arte, com desenhos, bordados e muito mais. Ver por exemplo os pequenos cantando Xande de Pilares ao som do cavaco do professor Moisés foi muito especial!” Declarou Cleber Gonçalves.

“A FliCacique comprovou a vocação do Cacique de Ramos em permanecer sendo um local de trocas de experiências, aberto e democrático, onde as diferentes gerações podem interagir. Essa é a marca da cultura do samba, na qual a palavra também cumpre um importante papel na transmissão da memória e de todo um patrimônio musical e afetivo. Nada mais adequado do que o Cacique – um território que encarna todos esses elementos – amparar iniciativas de difusão da leitura e do conhecimento escolar. O Centro de Memória se sentiu realizado em poder articular essa parceria com a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, a quem agradecemos a proposta inicial, sempre com o desejo de novas ações.” Walter Pereira Jr é historiador e coordenador do Centro de Memória do Cacique de Ramos.

A diversidade de atividades oferecidas – leituras, contação de histórias, oficinas, rodas de conversa sobre questões sociais e até exposições para mais de 1500 alunos da rede pública municipal – desde a formação infantil ao EJA, além de atrair dezenas de cariocas e turistas, refletiu o multiculturalismo do povo carioca e do Cacique de Ramos. O evento promoveu um diálogo aberto e inclusivo, construindo pontes entre diferentes grupos e estimulando a reflexão sobre temas pertinentes à sociedade contemporânea, como equidade, racismo, protagonismo e religiosidade. A concepção geral foi da SME-Carioca, alicerçada pela contextualização de Walter Pereira Jr e Cleber Gonçalves.

Destaque-se também a participação ativa dos membros do Cacique de Ramos, que contribuíram com apresentações artísticas. Victor Alvim, conhecido como o Lobisomem e sua Cordelaria Carioca, encantou o público com suas narrativas em cordel que retratam a vida e obra de personalidades e instituições culturais. Além disso, André Cezari – artista plástico e carnavalesco do bloco, que apresentou uma exposição de suas ilustrações, algumas das quais adornam capas e páginas de livros. E, também a oficina percussiva ministrada por Mestre Xula e seus diretores da Bateria Tamarindo de Ouro para alunos do ensino fundamental.

A interação não se limitou apenas às exposições e apresentações artísticas. Uma roda de conversa envolvendo figuras proeminentes do Cacique de Ramos também marcou o evento. A rainha do bloco, Cassia Anastácia, juntamente com a diretora de comunicação Nayra Cezari, liderou uma discussão vibrante sobre o papel das mulheres nos Ramos do Cacique. Juntou-se a elas a convidada especial Flavia Pinto, sacerdotisa e autora reconhecida, que compartilhou seu profundo conhecimento sobre o matriarcado e os livros publicados sobre o tema, proporcionando insights valiosos e enriquecedores para o público presente. A mediação ficou a cargo de Aline Soares, do Museu da Imagem e do Som RJ, que também integra o Centro de Memória do Cacique de Ramos.

“Márcio Nascimento, gestor do Cacique de Ramos, junto com Cristhian Kelly, sua esposa e diretora geral do bloco, expressaram sua gratidão em relação ao sucesso da Festa Literária do Cacique de Ramos, a FliCacique. ‘Gostaríamos de expressar nossa sincera gratidão às autoridades que contribuíram significativamente para o sucesso deste evento’, disse Márcio. ‘Seus esforços e apoio foram fundamentais para tornar este evento em realidade, juntamente com a competente gestão do Centro de Memória desta casa criada por meu pai, Bira Presidente. Muito obrigado a todos, estou muito orgulhosa e feliz’, acrescentou Cristhian Kelly, que se emocionou várias vezes durante todo o evento.”

Mais do que uma festa literária, a FliCacique representa um espaço de encontro, aprendizado e transformação, onde as vozes diversas e os saberes compartilhados ajudam a construir um futuro mais inclusivo e consciente para todos.

Já na expectativa para a próxima FliCacique, agradecemos ao Secretário Municipal de Educação, Renan Ferreirinha, pelo compromisso com a educação e cultura, e por sua presença marcante na abertura oficial da FliCacique. Ao Subsecretário de Articulação e Integração da Rede da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, Hugo Nepomuceno, pela sua colaboração e apoio constante durante todo o processo de organização do evento. À coordenadora da 4ª CRE, Fátima Barros, por sua participação ativa e pelo incentivo ao envolvimento dos alunos da rede pública municipal na FliCacique. Ao administrador do Cacique de Ramos, Márcio Nascimento, por sua liderança e dedicação à realização deste projeto, e por abrir as portas do Doce Refúgio para esta iniciativa educacional e cultural. Ao historiador e coordenador do Centro de Memória do Cacique de Ramos, Walter Pereira Jr., pela sua expertise e compromisso em preservar a história e cultura do Cacique de Ramos, e por sua contribuição inestimável para a concepção e realização da FliCacique juntamente ao professor Cleber Gonçalves. À Diretoria de Ouro do Cacique de Ramos, representada por Christian Kelly e Karla Marcelly, por sua dedicação à missão de seu pai, o Cacique Maior – Bira Presidente. A todos os membros da SME – Carioca, que trabalharam incansavelmente para garantir o sucesso da FliCacique, especialmente à equipe envolvida na estrutura e logística do evento na sede da agremiação.

Agradecemos profundamente a cada um desses indivíduos pelo seu compromisso, dedicação e apoio à FliCacique. Seu envolvimento foi decisivo para tornar esta celebração da literatura, cultura e educação uma experiência verdadeiramente inesquecível para todos os envolvidos em mais este dia histórico da nossa história.